Qual o gosto da saudade? Para Hélio Francisco Alves, de 48 anos, que está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (HMAP) para tratamento da Covid-19, é um curau com canela. Parece simples, mas para quem está hospitalizado e há mais de um mês se alimenta por sonda, é a realização de um desejo.

O paciente deu entrada no HMAP no dia 29 de abril com o diagnóstico positivo para o novo coronavírus e foi encaminhado para UTI. Com a evolução da doença e com 90% de comprometimento pulmonar, Hélio precisou ser intubado e posteriormente traqueostomizado. O paciente reagiu ao tratamento e no dia 31 de maio saiu da ventilação mecânica.

Na tarde da última segunda-feira, dia 7, a equipe de nutrição da unidade realizou a transição da dieta por sonda para dieta oral e realizou o pedido de Hélio de comer um curau com canela. Para a nutricionista do HMAP, Adriele Freitas, a internação prolongada pode levar a baixa ingestão ou recusa alimentar. “Um dos papéis da nutrição no âmbito hospitalar é usar de estratégias que possam estimular essa ingestão, tornando as refeições mais próximas das realizadas em casa. Com isso, aumentamos o vínculo com o paciente e o sucesso na recuperação”, afirma.

A coordenadora do serviço de nutrição, Amanda Oliveira, reforça que a equipe do HMAP proporciona um atendimento individualizado, onde cada paciente é único. “Nós respeitamos não só a condição clínica e nutricional dos pacientes, mas também a cultura, os costumes e os desejos relatados por eles”, conta.