Para marcar o Dia da Mulher, comemorado em 8 de Março, perguntamos para algumas colaboradoras do Hospital Estadual de Urgências da Região Sudoeste (HURSO), em Santa Helena, o que era ser mulher. As respostas, por mais diversas, concordam em uma coisa. Ser mulher é luta e recompensa.

Para a costureira Maria Rosa Siega, “ser mulher é tudo”. Ela contou que se sente realizada trabalhando no HURSO. “É muito bom, pela convivência com os colegas e por poder conhecer tantas pessoas”, disse.

Já Tatiane Vieira, que é auxiliar de serviços gerais, reforçou que “ser mulher é ter força”. Ela, que é mãe de cinco filhos, entre eles uma criança especial, trabalha no HURSO desde a inauguração, em 2011. Para ela, a mulher precisa de “força para amar, para dar carinho, trabalhar, principalmente quando cumpre os dois papéis, o de pai e o de mãe”.

Marlene Inácia é técnica de enfermagem há mais de 25 anos e disse que escolheu essa profissão porque tem gosto pelo “cuidar”. Ressaltou ainda que é mãe, avó, dona de casa e que faz tudo com muito amor. “Às vezes nem é necessário me pedir certas coisas, eu já faço. Isso não é porque sou técnica em enfermagem, é porque eu gosto de ajudar”, revelou.

 

Dia Internacional da Mulher

Em 1857, centenas de operárias foram queimadas vivas por policiais em uma fábrica de Nova York (EUA). Elas lutavam por melhores condições de trabalho e direito à licença maternidade. Essa data ficou marcada na História, por isso foi estabelecido que no dia 8 de Março seria comemorado o Dia Internacional da Mulher.

Comemorar esse dia vai além de mandar flores e chocolate, serve para lembrar a importância de uma figura feminina na nossa vida. Seja a mãe, uma avó, uma tia ou até mesmo uma irmã. Elas são fundamentais na nossa criação e formação de caráter, servem como exemplo de esperança e perseverança.